Você conhece a primeira dama do vinho Argentino?

Por: Brunno Guedes

Você conhece a primeira dama do vinho Argentino?

Não sabia que tinha uma mulher com tamanha honra? Não fique chateado! Muitos não sabem, mas estamos falando da senhora Susana Balbo!

Sua história, uma das personagens mais representativas do cenário vitivinícola, tem início nos anos 1980. Desde muito cedo, Susana não aceitava ver o mundo de dentro de uma caixa e já dava sinais de que havia nascido para grandes projetos. Vinda de uma família tradicional da Argentina, ainda jovem decidiu que queria deixar Mendoza para ir atrás de seu sonho, estudar física nuclear.

A escolha não foi bem vista para os padrões da época e sua família a proibiu de seguir com o plano. Vendo-se sem alternativas, mas sempre com a mente inquieta, resolveu se envolver nos negócios da família, que já produzia vinhos e, em 1981, foi a primeira mulher a se formar em enologia no país.

Já com o diploma em mãos e muita determinação, a Argentina tornou-se pequena e o mundo lá fora lhe esperava com vivacidade. Susana seguiu para o norte, mais precisamente Cafayate, para trabalhar na vinícola Michel Torino, sendo a grande responsável por colocar no mapa do vinho o que hoje sabemos da casta torrontés.

Trabalhou em grandes bodegas, como a Catena Zapata, sem contar as inúmeras atividades como consultora tanto em empresas da própria Argentina quanto em países como Espanha, Chile, Itália, Brasil, Austrália e Estados Unidos. Após anos de trabalho árduo, realizou o sonho de ter uma vinícola para chamar de sua, a Susana Balbo Wines, que até pouco tempo era chamada de Dominio del Plata.

Nesse projeto pessoal, pôde colocar sua criatividade e conhecimento em ação com as modernas instalações de sua vinícola, grande hospitalidade pela qual é conhecida e diversos projetos sociais. Porém, a consolidação do projeto veio um pouco depois, quando seus dois filhos – o enólogo formado em UC Davis, José Lovaglio, e a administradora Ana – juntaram-se ao negócio, garantindo a continuidade do seu legado para as próximas gerações. Para Susana, o envolvimento de seus filhos veio como um fator agregador e uma continuação de seu trabalho e esforço.

O pé de entrada da vinícola é a linha Crios, que tive o prazer de degustar essa semana. Ela nasceu do amor de Susana pelos filhos e do seu desejo de deixar um legado para a família.

“Convicção, energia e identidade são necessárias para criar algo com as mãos e deixar uma marca pessoal indelével”, diz Susana.